Eduardo Galeano: sangue latino












Eduardo Galeano: sangue latino
 
Trechos da entrevista do escritor uruguaio Eduardo Galeano,
dentro do programa Sangue Latino.
 
Somos muitíssimo mais do que nos dizem que somos!
 
Uma poeta norteamericana chamada Muriel Rukeyser disse uma frase que sempre me pareceu esplêndida: “O mundo não é feito de átomos: o mundo é feito de histórias”. Eu acredito que sim, porque são as histórias que a gente conta, que a gente escuta, recria, multiplica, que permitem transformar o passado em presente, e que também permitem transformar o que está distante em algo próximo, possível, visível.
 
Faz pouco tempo, um jornalista me falou: “Lendo seus livros, sinto que você tem um olho no microscópio e outro olho no telescópio”. Eu achei uma boa definição das minhas intenções, do que eu gostaria de fazer escrevendo: ser capaz de olhar o que não se olha, mas que merece ser olhado; as pequenas, as minúsculas coisas da gente anônima, da gente que os intelectuais costumam desprezar; esse micromundo onde eu acredito que se alimenta de verdade a grandeza do universo. E ao mesmo tempo ser capaz de contemplar o universo através do buraco da fechadura, ou seja, a partir das pequenas coisas; ser capaz de olhar os grandes mistérios da vida, o mistério da dor humana, mas também o mistério da persistência humana nesta mania, às vezes inexplicável, de lutar por um mundo que seja a casa de todos e não a casa de poucos e o inferno da maioria.
 
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

café com Amigas!